domingo, 1 de julho de 2018

Para que acessar vidas passadas?


         Em primeiro lugar precisamos entender que a terapia de regressão a vidas passadas não deve ser vista como um meio de especular outras vidas afim de matar a curiosidade de saber quem você foi. Na realidade, em meu ponto de vista, pouco importa se você foi um rei, uma rainha ou ainda se fostes um “pobre coitado sem eira nem beira”, como diz o ditado. O que deve ser relevante é que tipo de rei ou rainha ou de pobre coitado você foi: controlador, impulsivo, brigão, mandão, medroso, vítima, rancoroso, se sentia menos que os outros, motivado, desmotivado, melancólico, depressivo, solitário, excluído, animado, sedutor, etc.
           O objetivo de olhar para outra vida é bem mais amplo e deve ser realizado, quando necessário, com total respeito, pois estaremos olhando para aquilo que fortalece ou que fragiliza a pessoa atualmente.
            Ao olhar para outra vida encontraremos traços comportamentais e situações que ainda influenciam nesta vida atual. É possível compreender a origem de crenças que ainda limitam sua evolução espiritual e pessoal.
            Entendemos que a vida não começa na infância, porém será a partir do nascimento que poderemos nos conectar e sintonizar, através de gatilhos, a situações marcantes de outras existências e isto vai influenciar positivamente ou negativamente em nossas ações e atitudes atuais. Por este motivo se faz necessária uma avaliação inicial onde o cliente será escutado e auxiliado na compreensão daquilo que o incomoda. Primeiro observamos o aqui agora e depois partimos para ver como isto está refletido de outra vida. Com certeza tudo o que acontece com você está correto, porém, se algo lhe incomoda então isto pode ser visto. 
          Costumo repetir a famosa frase de Luiz Gasparetto: “estamos onde nos colocamos” e completo “a responsabilidade em permanecer é toda nossa”. 
     Há quanto tempo vem lidando com sentimentos que não consegue explicar de onde vem como: saudade, medo, sensação de rejeição ou pressentimentos estranhos? E seus relacionamentos que terminam sempre do mesmo jeito? Aquela oportunidade que quando parece que tudo vai dar certo, algo desmorona?
         Pretende seguir assim? A responsabilidade em permanecer é toda sua! 
         Talvez esteja repetindo comportamentos iguais aos que você já tinha em outra vida, e isto pode estar fazendo a diferença na hora de ter de tomar decisões ou tentar percorrer caminhos novos em sua vida. 
        Será que não está na hora de aprender novos comportamentos, modificar seus hábitos? 
      A terapia se constitui de quatro momentos importantes: a escuta, o acesso ao conteúdo passado (quando necessário), a compreensão deste conteúdo e a mudança comportamental. Mas existe uma parte que é mais importante do que tudo isso: a sua vontade e persistência para empreender esta reforma interior!
    Quando olhamos para o que aconteceu e como aconteceu, recuperamos nossa força, nos desligamos da sintonia daquilo que nos prendia àquela história e abrimos caminho para nossa transformação. Passamos a atuar com outra leitura da vida e dos acontecimentos, compreendendo melhor as pessoas que nos cercam e que convivemos, e principalmente, ter consciência de quem realmente somos. Só assim poderemos viver mais leves, mais felizes, mais seguros e saudáveis emocionalmente e espiritualmente.
          Sem sombra de dúvidas é um momento de autoconhecimento, poderoso para transformar seu modo de ver e de se portar diante da vida. Quando amadurecemos nosso entendimento sobre determinadas leis da existência humana, passamos a atuar e vibrar na vida de forma diferente, com mais consciência e plenitude.

quinta-feira, 3 de maio de 2018

O que a iridologia pode fazer por você!


A iridologia é uma arte. É uma forma de olhar para aquilo que está registrado em sua alma, aquilo que já veio programado para ser.
O estudo da iridologia se divide em duas áreas: orgânica e comportamental. Apesar de existir muitos terapeutas atuando com as duas áreas ao mesmo tempo, no diagnóstico, ainda vejo a iridologia comportamental como a mais profunda e fantástica.

Observar a íris de uma pessoa e entender como ela funciona e assim poder auxiliá-la na busca de seu equilíbrio exige respeito, compaixão e um olhar livre de críticas. Pois estaremos observando sua alma, seu verdadeiro “eu” em seu modo de pensar, sentir, agir e se comportar. Na íris encontramos os registros do modo como ela interage com a vida, com seus sentimentos e medos, ou seja, a forma como ela suporta tudo isto.
Compreendemos que existe uma estrada, um caminho a ser seguido e quando nos distanciamos dele, em função dos infortúnios da vida, acabamos adquirindo novos hábitos, novos comportamentos que muitas vezes nosso organismo e nossa mente não possui suporte e então começam as perdas energéticas e os desequilíbrios emocionais. Notamos este desalinhamento quando observamos a íris e então saberemos, enquanto terapeuta, qual a técnica, ou floral, ou fitoterápico será ideal para aquela pessoa.
A partir da identificação do tipo de íris passamos a compreender quem é a pessoa que está em nossa frente, como ela é, e então compreenderemos também, porque está passando por aquela situação desgastante em sua vida. O próximo passo é ajudá-la a equilibrar sua energia e retomar seu caminho adequando novos hábitos, novos comportamentos e uma qualidade de vida melhor. Assim acontece a transformação.
É possível identificar na íris situações de dificuldades de aprendizagens, problemas com insônia, traumas e sentimentos adquiridos na infância. Também é possível interpretar traços e características que a pessoa herdou de seus ancestrais e o quanto isto é saudável em sua vida atual.
Existem quatro tipos de íris entre os seres humanos: jóia, corrente, flor e ponta de lança. Cada uma possui características específicas e apontam seus medos e suas ansiedades, proporcionando assim uma vasta e maravilhosa fonte de informações para um processo terapêutico.
Quero convidar você para vir conhecer esta técnica nos dias 9 e 10 de junho, em Santa Maria, no hotel Dom Rafael – Cerrito, com certeza será um final de semana cinco estrelas e transformador.

Este curso não é destinado apenas para terapeutas. Podem participar profissionais que atuam com seleção de pessoas, professores e você que apenas gostaria de vivenciar o conhecimento e se beneficiar das técnicas de desenvolvimento pessoal que serão aplicadas durante o curso. Pois durante o estudo de cada íris serão desenvolvidas técnicas específicas para o seu equilíbrio e bem-estar.
Busque mais informações e inscreva-se no site http://hiltonmoura.com.br.
Aguardo por você!

domingo, 15 de abril de 2018

Iridologia e Tipo de Personalidade


Muitas pessoas adoram fazer teste de personalidade, a internet está cheia de testes de todos os tipos. Quem não gosta de ao final do teste ver que todas as informações ou, pelo menos, boa parte delas bateram com suas características? Todo mundo gosta não é mesmo? Bom e depois que você percebeu que o teste deu certo, o que fazer com isto? Geralmente as pessoas não fazem nada, apenas continuam exercendo suas características em sua vida, ou seja, seguem com o botão do piloto automático ligado, tendo as mesmas ações e reações e os mesmos resultados sempre.

A maioria dos testes procuram apontar as características positivas, utilizando elogios e reforçando as qualidades e anseios. Porém, sabemos que não somos formados apenas por características positivas, há também aquelas que precisamos melhorar e são estas que irão impulsionar de verdade no desenvolvimento pessoal e profissional. No entanto nem todo mundo gosta de saber de suas imperfeições e quando o teste de personalidade aponta esta parte, as pessoas fogem dele e o classificam como ruim e permanecem no mesmo lugar.
Muitos pensam que conhecem todas as suas características, que conhecem a si mesmos, porém, não entendem porque reagem de forma diferente a um acontecimento ou porque não conseguem alcançar seus objetivos ou até mesmo porque não dá certo os seus relacionamentos. Isto mostra que existem características que ainda não conhece totalmente e ali é que pode estar as respostas de seus questionamentos.
Compreender como é sua personalidade e tomar consciência disto fará com que você comece a reagir diferente, deixará o piloto automático desligado e passará a assumir sua vida com mais claridade, apropriando-se de suas qualidades e sabendo posicionar-se diante de seus medos.
Através da análise de íris do seu olho, podemos tomar conhecimento de como funciona em todas as áreas de sua vida: profissional, relacionamentos, família, saúde, etc.  Também podemos compreender os pontos fracos e como crescer e evoluir diante deles, utilizando-os a seu favor.
Muitas pessoas que já identificaram seus pontos fracos utilizam-se deles para conseguir o que querem de você. É mais fácil encontrarmos nos outros do que vermos os nossos, quando você reconhece estes pontos e os encara, então começa a crescer e se tornar melhor.
Na psicoterapia falamos sobre suas fragilidades e indiferenças olhando para elas, encarando-as e entendendo como podemos evoluir.
Mas como a íris pode revelar estes detalhes tão importantes?
 Veja sobre o curso de Iridologia.

Existem quatro tipos de íris entre os seres humanos e cada uma delas descreve características específicas de seu dono. Podemos observar na íris as perdas energéticas e o que fragilizam esta pessoa, assim como aquilo que pode torna-la mais forte. As tendências comportamentais e também as profissionais são possíveis de identificar na íris.
Costumo dizer que na íris encontram-se as informações de como viemos para ser e a partir da observação e análise compreendemos o quanto a pessoa se afastou desta linha, logo, entendemos porque as coisas não andam bem e então se inicia a terapia.
São sinais específicos existentes em nossa íris que possibilitam identificar todas estas situações, o tipo de personalidade bem como os órgãos onde costumamos acumular o estresse.
Iridologia não é terapia e sim uma ferramenta de diagnóstico, capaz de nos abreviar uma anamnese e nos permitir utilizar técnicas mais apropriadas para aquele tipo de personalidade. Por isto que se diz que o mais importante do que saber qual a doença que uma pessoa possui, é saber quem é esta pessoa e assim compreendermos melhor porque a doença está ali.
Quando olhamos uma íris em sua profundidade entendemos, inclusive, as contribuições que os antepassados deram para que aquela pessoa pudesse existir. Este olhar fortalece nossa existência e nos faz buscar o sucesso com mais segurança e certeza.

quarta-feira, 14 de março de 2018

O que levaria você a buscar a psicoterapia?


Muitas pessoas querem resolver suas situações em curto espaço de tempo, ou melhor, querem transferir seus problemas ao terapeuta entendendo que assim não precisarão mais se preocupar com aquilo que incomoda. Muitas vezes criam a ilusão de que o terapeuta possui um poder mágico e que em apenas um encontro mudará sua vida para sempre.
Ao longo do tempo foram criadas muitas filosofias, muitos conceitos, muitas técnicas, muitas fórmulas para ajudar o ser humano na sua busca pelo equilíbrio, pela paz. Porém nem todas as técnicas, nem todas as fórmulas funcionam com todo mundo. Pois há uma série de situações e questões que influenciam na estrutura emocional de uma pessoa e se o terapeuta não souber identificar isto em seu cliente, este vai ficar investindo em algo que não trará bons resultados. Na TSP utilizamos recursos modernos e eficazes para identificar estes padrões e compreender como podemos auxiliar melhor aqueles que nos procuram.
Outra situação a ser compreendida e levada a sério é que “nenhum terapeuta conseguirá trazer resultados ao seu cliente se não houver vontade do próprio cliente em melhorar-se”. Não adianta tentar nadar contra a maré, alguém vai acabar se afogando.
São muitos os que pensam que mudar é um esforço de fora para dentro, quando na verdade a mudança sempre ocorre de dentro para fora. A forma de pensar e de interagir com a vida é o que causa a maioria do sofrimento humano, logo, percebe-se a necessidade de melhorar esse pensamento e também a forma de ler a vida, e isto é feito na psicoterapia. E é de suma importância que o cliente entenda que não há como modificar a estrutura de pensamento de uma pessoa em 60 minutos numa única vez.
Uma doença ou um comportamento vicioso leva anos para se formar, a pessoa vai adotando hábitos e manias que vão modificando sua forma de ser sem ela perceber. Ansiedade, nervosismo, tristeza, depressão, raiva, etc., são, muitas vezes, o resultado de um padrão comportamental que não vem dando certo há algum tempo. Em algumas situações são hábitos que foram sendo adquiridos desde a infância, em outras são situações que vem se arrastando de outras vidas, existência após existência.
Costumo dizer que hoje você é o resultado do que vem há muito tempo treinando para ser.
Terapia nenhuma possui fórmula que seja eficaz se não houver a colaboração e vontade do cliente. Aquele que realmente deseja melhorar sua vida, precisa se dedicar a isto, ao contrário a vida engana, parece que mudou, mas em seguida tudo volta como era antes.
A psicoterapia necessita que seja frequentada pelo menos uma vez por semana ou a cada quinze dias, para que se consiga modificar algo que vem há longos dias, meses, anos ou existências se formando. A mudança sempre deve ocorrer com calma e num processo amoroso, sem pressa, pois quando é brusca demais assusta e traz resultados desastrosos no futuro.
Uma dica que dou é de que somente inicie sua terapia se realmente deseja ir até o fim, pois ao contrário poderá formar mais resistências e demorar mais ainda na busca por uma nova tentativa.

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Somente por hoje não me zangarei

Você já parou para pensar quantas vezes por semana você se zanga com algo?
E o que você tem ganho com isto?
Ficar zangado ou aborrecido só atinge a você mesmo.

A situação pela qual você se aborreceu ou a pessoa que fez com que você ficasse assim não irá sentir nada, mas você com certeza terá, pelo menos, desconforto no estômago.
No ensinamento do Reiki, um dos cinco princípios é este: “somente por hoje, não me zangarei”.
Se você praticar isto diariamente durante 21 dias, com certeza aprenderá a não se zangar por qualquer coisa. No mínimo passará a ter mais tranquilidade para encarar determinados desafios.
Quando aprendemos a refletir antes de agir instintivamente, aprendemos a controlar nossos impulsos primários. Diversas situações que antes nos colocariam em risco de agir de forma primitiva, acabam perdendo a força e não aparecem mais.
A raiva pode ser utilizada como um impulso para o crescimento, para a evolução, ao contrário do que muitas pessoas fazem colocando-se cada vez mais para baixo. Costumo me referir à raiva como uma energia e sempre afirmo que devemos utilizá-la a nosso favor, aprendendo com ela. Podemos escolher não deixar mais com que a situação que a causou se repita, então aprendemos com ela.
Se em toda situação que aparecer para lhe causar a raiva, você respirar profundamente e procurar entender o que ela está tentando lhe mostrar, então entenderá que não existe raiva e sim oportunidade de evolução.

Medite nas afirmações “somente por hoje não me zangarei ou somente por hoje estarei em paz” e perceba quanta força isto lhe traz. Esta é sua verdade. Você não precisa se zangar ou ficar com raiva diante de algo que veio para lhe impulsionar ao crescimento.
Pronto!
Acabou de aprender a modular sua energia.
Lembre-se: o recalque sempre se expressa em irritação ou raiva. Ao senti-la, pare! Aproprie-se da situação e entenda como poderá utilizar esta energia para crescer e evoluir, aprendendo com ela.


sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Sentimento de rejeição: como lidar com isto.

Há pessoas que vieram ao mundo para lidar com a sensação de rejeição.
Sim, eu disse lidar, enfrentar, encarar...
Diariamente recebo em minha sala de terapias alguém se queixando que frequentemente é rejeitada(o) ou que o relacionamento terminou porque começou a perceber que seu par passou a rejeitá-la(o).
            Existem pessoas que vieram, realmente, para lidar com a sensação de rejeição, e isto faz parte de sua evolução espiritual e pessoal. Nas mais diversas áreas de atuação de uma vida podemos perceber a sensação de rejeição: no trabalho, na família, nos relacionamentos, na sociedade,  etc.. E isto pode começar bem cedo na vida de uma pessoa, ainda na infância.
Culpa dos pais?
Não! Com certeza é uma proposta reencarnatória.
Muitos de nós não conseguiram conviver em grupos ou até mesmo com a sociedade, em outras vidas, por questões diversas. Sem contar aqueles que passaram uma vida inteira se colocando em clausura, retiros intermináveis ou ainda fugindo das pessoas para não serem queimados em fogueiras. Mesmo depois de chegar ao mundo espiritual praticou o costume de se isolar e isto podemos observar nas regressões de vidas passadas.
Costumo contar, para meus clientes, que antes de reencarnarmos tivemos nosso momento de psicoterapia com nosso mentor e lá fomos chamados a atenção daquilo que não conseguimos melhorar e também daquilo que adquirimos através de nossas atitudes impulsivas ou impensadas. Foi neste momento que compreendemos a necessidade de retornar e buscar melhorar ou reparar estas situações.

Aqueles que lidam com a sensação de rejeição devem buscar a perceber se na verdade não são eles mesmos que se isolam, ou que rejeitam as pessoas que ele pensa que os rejeita. Sim, muitas vezes pensamos que fulano ou cicrano não nos aceita e então, sem o conhecer, acabamos não permitindo conviver com ele. Passam alguns meses ou anos para descobrirmos que nunca se passou pela cabeça de tal indivíduo a ideia da rejeição e que além de tudo é uma ótima pessoa para se conviver.
Em outros casos a própria pessoa se rejeita, pelo fato de não aceitar alguma característica pessoal e passam a se isolar. Porém, a leitura que faz é de que são as pessoas que a rejeitam.
Mas existem também os que pelo fato de terem uma mediunidade e não saberem lidar com ela ou não aceitá-la, isolam-se por entender que assim como ela mesma não compreende, os outros também não compreenderão.
Entendemos que estas sensações são intensificadas ou identificadas a partir de alguma situação que a dispara na vida atual. Por exemplo, uma situação na qual a pessoa precisou, pela primeira vez em sua vida, vivenciar uma rejeição e a partir de então passou a se sentir rejeitada pelos outros. Na terapia de vidas passadas entendemos que neste momento a pessoa sintonizou-se a alguma situação vivenciada em outra vida, conforme sugerimos anteriormente.
Dada a situação e a sintonização, a pessoa passa a lidar com acontecimentos que despertam a sensação de rejeição. Ou seja, se sente rejeitado.
Conforme citei no início do texto, há pessoas que vieram para lidar com a sensação e não para serem rejeitadas. Porém, pelo simples fato de antecipar a ideia de que poderá ser rejeitada, acabam se isolando.
Podemos citar também aquelas pessoas que sufocam os outros com seus sentimentos de saudade, apego, servidão, etc... São pessoas carentes e intensas que tentam adivinhar o que os outros estão pensando e assim trazem o café antes mesmo da pessoa pedir. Intensas porque quando sentem saudade ou quando gostam de alguém, demonstram isto com total franqueza e grude. Sufocam sem se dar conta, com seus abraços e exageros de servidão.
Nem todos são afetivos, muitos preferem pouco toque e a liberdade de iniciativa própria. Logo, fugirão do carente que passará a se sentir rejeitado, sem compreender que ele mesmo faz com que as pessoas tenham esta atitude. Passam então a lidar com a sensação de rejeição.

Três dicas importantes:
·         É rejeitado aquele que se rejeita primeiro.
·         Busque conviver com aqueles que não despertam em você a sensação de rejeição, eles são a maioria.
·         Perceba o quanto você está sendo intenso com os outros e modere isto.

Se você compreende que vivencia a sensação de rejeição em sua vida, entenda que não é para se excluir e muito menos para se rejeitar, mas sim para vencer esta característica. Ao entender que alguém o rejeita, procure se aproximar, conversar e desfazer esta ideia, ao contrário: vooooollllltaremos!!
Há pessoas que descobriram na música uma forma de aproximação da sociedade e de não sentirem a rejeição, outras encontraram esta força na dança, assim como muitos experimentaram a pintura, a poesia e tantas outras profissões.
Descubra-se!
É fácil, não é difícil.
Pode ser desafiador, mas esta é a graça de poder sair de um ângulo para outro. Sair de uma frequência para outra.


quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Que venha 2018 com toda sua força e coragem!

Este ano promete sim. O ser humano ainda precisa de umas sacudidelas para evoluir e se tornar melhor. Vamos entender um pouco sobre o novo ano, analisando os números e o tarô terapêutico.
Ao somarmos 2+0+1+8 chegaremos ao 11, que na numerologia é chamado de Número Mestre. No tarô o 11 é a carta da Força, ou seja, quem tem força certamente terá sucesso. Mas esta força não é apenas a força física. 1+1=2 que representa a lâmina da Papisa, ou seja, intuição, introspecção para encontrar o caminho. Logo, podemos entender que a força virá deste autoconhecimento. Quando me encontro. Quando estou comigo, sou forte. Então, preciso me conhecer, identificar minhas qualidades e também os pontos fracos para que eu saiba lidar com todas as situações que surgirem.

Não significa que quem não buscar seu autoconhecimento não conseguirá nada. A ideia de interiorização seria o plantar e depois a força para colher. Quem não se adaptar a este processo, não estará plantando então não terá muito a colher.
O autoconhecimento através de leitura, estudo, cursos e desenvolvimento intelectual deve ser o carro chefe para aqueles que querem garantir o sucesso em 2018.
Sempre falo que as pessoas devem envolver-se com sua evolução pessoal e espiritual e não só com o desenvolvimento material. Chega uma hora que tudo está vazio, pois o material não completa determinadas áreas emocionais do ser humano. Neste ano de 2018 isto será cobrado de uma forma mais rígida, principalmente daqueles que iniciaram e não seguiram.
Pessoas que estão utilizando o conhecimento espiritual para manipular serão cobradas rigidamente e algumas poderão ter problemas mentais. A carta da Força remete aos problemas na cabeça, derrames, Alzheimer, etc.
Um dos grandes segredos para viver plenamente o 2018 é não se permitir ao isolamento. Busque companhias motivadoras. Pessoas que podem fazer a diferença em sua vida. Quando sentir tendência a desânimo, tristeza, use o floral Mimulus da linha de Bach. Busque terapia, dança, música, algum grupo de artes. E principalmente, procure identificar o que lhe faz querer ficar isolado. Pode ser sintonias de outras vidas, pode ser tendência comportamental mesmo, uma vez que os Índigos e Cristais, por exemplo, geralmente não se identificam neste mundo, então preferem o isolamento. Logo, compreendemos que nem tudo é doença, não precisa sair procurando remédios achando que está com depressão. É importante saber lidar com esta característica e buscar a se inserir no contexto de sua vida.
Força é sinônimo de coragem. A Papisa está envolta no tecido vermelho. O vermelho é a cor que dá a coragem tanto para lutar, quanto para se autoconhecer. Porém, o excesso desta cor remete a agressividade. Use-a na virada do ano, use-a nos momentos que precisa de energia ativa para avançar. Use-a para realçar sua determinação. Esta é a cor do Chákra Raiz, o chákra das conquistas materiais e de todas as coisas que são criadas pelo homem na terra.
Vista-se desta coragem e entre no novo ano com determinação, plantando coisas boas, coisas belas, para que possa colher o mesmo. O lugar onde você está é o resultado de onde tem se colocado até hoje. Então medite! Recolha-se e depois saia do casulo voando, com asas brilhantes, coloridas e fortes para te carregar por onde precisar.
Muito obrigado pela sua companhia neste ano de 2017 e que possamos seguir nossa parceria em 2018.

Tenho um belo e maravilhoso ano!